Mick Fanning é atacado por tubarão durante final em J-Bay, mas escapa

Etapa sul-africana quase acaba em tragédia. Final é adiada para segunda após susto. A etapa de Jeffreys Bay por muito pouco não termina em uma grande tragédia.

Logo no início da bateria final contra Julian Wilson, Mick Fanning foi atacado por pelo menos um tubarão. Aparentemente dois animais se aproximaram do surfista.

Mick Fanning é atacado por tubarão durante final em J Bay mas escapa

O tricampeão mundial foi surpreendido pelos animais e começou a tentar se desvencilhar usando a prancha, com um semblante de desespero. Fanning chegou a ser atingido no rosto e em determinado momento sumiu das imagens causando grande apreensão. O resgate agiu rápido. Uma lancha e dois jet skis da organização se deslocaram para a cena do ataque. Para alívio geral, Fanning foi resgatado inteiro, sem ferimentos, assim como Julian. Os animais chegaram a cortar a corda que prendia a prancha ao pé do australiano, mas não machucaram o surfista. A bateria foi interrompida imediatamente e, por falta de segurança, a organização da WSL adiou a disputa da final para segunda-feira. Apenas Julian havia pego onda, e liderava com 6.67.

Confira o incidente no vídeo:

Já na lancha, mas ainda muito assustado, Fanning deu seu relato sobre o incidente:

– Era dos grandes. Eu estava sentado, parado e comecei a sentir algo ficar preso em minha perna e instintivamente eu pulei, tentando escapar. Mas ele começou a atacar minha prancha, eu comecei a gritar e chutá-lo. Eu só vi barbatanas, não vi dentes. Eu estava esperando virem os dentes em mim. Chutei a traseira dele – disse Fanning, um tanto assustado, mas mantendo o bom humor.

J-Bay tem histórico de ataques de tubarões
O litoral sul-africano abriga uma das maiores concentrações de tubarões brancos, presença frequente em praias como Jeffreys Bay. Os surfistas ficam com o alerta ligado. Em 2007, o australiano Mick Lowe se assustou ao ver um animal na competição, e, em 2003, o aussie Taj Burrow deixou a disputa com medo de um tubarão. Antes da etapa, o próprio Mick Fanning havia dito que nunca tinha visto tubarões na região e contou como reagiria.

– Eu já mergulhei com tubarões na costa de J-Bay em uma gaiola e aquilo foi selvagem, mas eu nunca vi nenhum no line-up. É algo que pode te enlouquecer se você pensar muito. Eu prefiro sempre seguir a minha intuição, se eu sentir o perigo, eu não fico dentro da água – disse Fanning, na ocasião.

No último mês, o bodyboarder Caleb Swanepoel, de 19 anos, perdeu a perna direita e sofreu lacerações na esquerda depois de um ataque de um tubarão branco em Buffels Bay. No dia anterior, o surfista Dylan Reddering, de 23, foi atacado, em Plettenberg Bay. No ano passado, um enorme tubarão branco foi visto em um dia de condições perfeitas em J-Bay, causando pânico entre os surfistas. O ex-top da elite mundial Daniel Ross, da Austrália, foi um dos primeiros a perceber a presença do animal. Após a debandada, o big rider Grand “Twiggy” resolveu voltar ao mar usando um “shark pod”, uma espécie de “repelente” de tubarões. O dispositivo eletrônico emite ondas sonoras que afastam os predadores. O aparelho, utilizado por surfistas e mergulhadores, funciona em 90% das vezes, segundo testes realizados por pesquisadores da Universidade da Austrália Ocidental (UWA).