Ação de procuradores pede que empresas da Lava Jato parem de receber grana do BNDES para obras fora do Brasil

Veja abaixo a lista de empresas investigadas pela Operação Lava Jato, e que lograram empréstimos do BNDES para fazer obras no exterior:

Representação, ora ajuizada, postula que a Promotoria ingresse com ação civil pública para impedir que tais empresas continuem recebendo tilintantes dos cofres da viúva.
Ação de procuradores pede que empresas da Lava Jato parem de receber grana do BNDES para obras fora do Brasil

A movimentação jurídica é dos procuradores Matheus Faria Carneiro e Alessandro Kiquio, e ajuizada junto ao juiz da 4ª Vara Federal de Criciúma/SC.

A íntegra está aqui neste link.

Agora a lista das empresas e países beneficiados pelo BNDES:
Porto de Mariel (Cuba)
Valor da obra – US$ 957 milhões (US$ 682 milhões por parte do BNDES)
Empresa responsável – Odebrecht

Hidrelétrica de San Francisco (Equador)
Valor da obra – US$ 243 milhões. Empresa responsável – Odebrecht

Hidrelétrica Manduriacu (Equador)
Valor da obra – US$ 124,8 milhões (US$ 90 milhões por parte do BNDES)
Empresa responsável – Odebrecht

Hidroelétrica de Chaglla (Peru)
Valor da obra – US$ 1,2 bilhões (US$ 320 milhões por parte do BNDES)
Empresa responsável – Odebrecht

Metrô Cidade do Panamá (Panamá)
Valor da obra – US$ 1 bilhão. Empresa responsável – Odebrecht

Autopista Madden-Colón (Panamá)
Valor da obra – US$ 152,8 milhões. Empresa responsável – Odebrecht

Aqueduto de Chaco (Argentina)
Valor da obra – US$ 180 milhões do BNDES. Empresa responsável – OAS

Soterramento do Ferrocarril Sarmiento (Argentina)
Valor – US$ 1,5 bilhões do BNDES. Empresa responsável – Odebrecht

Linhas 3 e 4 do Metrô de Caracas (Venezuela)
Valor da obra – US$ 732 milhões. Empresa responsável – Odebrecht

Segunda ponte sobre o rio Orinoco (Venezuela)
Valor da obra – US$ 1,2 bilhões (US$ 300 milhões por parte do BNDES)
Empresa responsável – Odebrecht

Barragem de Moamba Major (Moçambique)
Valor da obra – US$ 460 milhões (US$ 350 milhões por parte do BNDES)
Empresa responsável – Andrade Gutierrez

Aeroporto de Nacala (Moçambique)
Valor da obra – US$ 200 milhões ($125 milhões por parte do BNDES)
Empresa responsável – Odebrecht

BRT da capital Maputo (Moçambique)
Valor da obra – US$ 220 milhões (US$ 180 milhões por parte do BNDES)
Empresa responsável – Odebrecht

Hidrelétrica de Tumarín (Nicarágua)
Valor da obra – US$ 1,1 bilhão (US$ 343 milhões). Empresa responsável – Queiroz Galvão, sendo que a Eletrobrás participa do consórcio que irá gerir a hidroelétrica

Projeto Hacia el Norte – Rurrenabaque-El-Chorro (Bolívia)
Valor da obra – US$ 199 milhões. Empresa responsável – Queiroz Galvão

Abastecimento de água da capital peruana – Projeto Bayovar (Peru)
Valor não conhecido. Empresa responsável – Andrade Gutierrez

Renovação da rede de gasodutos em Montevideo (Uruguai)
Valor não conhecido, Empresa responsável – OAS

Via Expressa Luanda/Kifangondo
Valor não conhecido, Empresa responsável – Queiroz Galvão

Viram a lista ? Se quisermos, como contribuintes, exigir que tais coisas sejam investigadas, poderemos ser tidos como inimigos de estado: já que, na Reunião do Diretório nacional do PT, ocorrida em São Paulo aos dezessete dias do mês de abril de 2015, por meio de uma Resolução Política (Documento oficial), foi estabelecido que:
“A prisão do companheiro João Vaccari, nas condições em que ocorreu, demonstra que o clima de ódio e revanche envolve também fatias da Polícia Federal, do Ministério Público e do Judiciário. Vamos assistindo, aos poucos, a transformação de indispensável processo de apuração e punição, relativo a desvios na principal estatal brasileira, em espetáculo de atropelos legais, politicamente manipulado a serviço das forças antipetistas.

Mais que tudo, conforma-se um embrião de estado de exceção, violador dos mais elementares direitos fundamentais, cuja existência indigna, enoja e ofende a consciência democrática do País. E, por isso mesmo, antes que prospere, exige resposta corajosa da nossa militância”

Não espantará se os procuradores autores da proposta de investigação sejam passem a ser perseguidos como numa “Sharia” xiita…

Veja o vídeo sobre o tema: